Pvhcaos - AO VIVO

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Jornal da USP

Projeto da USP busca melhorar saneamento de cidade em Rondônia

Iniciativa da USP em São Carlos tem a participação de alunos dos cursos de Engenharia Ambiental e Civil
Por  - Editorias: Extensão


Equipe da EESC durante visita a Porto Velho – Foto: Tadeu Malheiros
.
Com o intuito de promover ações de integração entre universidade, município e a preparação de alunos de graduação no âmbito da extensão universitária, o projeto Mobilização e Capacitação para o Saneamento Ambiental em Áreas de Vulnerabilidade Social, da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP, está realizando pesquisa aplicada na área de abastecimento de água e esgotamento sanitário em áreas de assentamentos precários em Porto Velho, em Rondônia.
O projeto foi aprovado no edital do Ministério da Educação no Programa de Apoio à Extensão Universitária (Proext) 2016. Um dos enfoques está na mobilização e capacitação de atores-chave do saneamento, como prefeituras, operadoras, agências de regulação, organizações da sociedade civil e representantes de instituições não governamentais com ação em áreas de assentamento precário e contexto vulnerável.
De acordo com o professor do Departamento de Hidráulica e Saneamento (DHS) da EESC e coordenador do projeto, Tadeu Malheiros, esse enfoque permite complementar a formação social, técnico-científica e pessoal de alunos de graduação dos cursos de Engenharia Ambiental e Civil, trazendo uma proposta de trabalho dinâmica, fora da sala de aula.
Durante a segunda semana de fevereiro, os alunos estiveram em Porto Velho realizando a primeira etapa, que incluiu atividades de visitas a campo nas áreas de assentamento precário, reuniões com gestores no tema do projeto e diagnósticos dos serviços de saneamento do município.
Segundo estudo do Instituto Trata Brasil, realizado a partir da base de dados de 2015 do Sistema Nacional de Informações de Saneamento (SNIS), Porto Velho está na posição 97 entre 100 cidades que foram avaliadas segundo a evolução dos indicadores de água, esgotos, investimentos e perdas de água.
Para a aluna do curso de Engenharia Ambiental e estagiária da equipe, Bárbara Walderramos Lupino, os estudantes querem entender as demandas reais da cidade. “São muitas as diferenças entre os Estados e entre as necessidades das comunidades em áreas de vulnerabilidade social, e esse projeto de extensão possibilita uma visão crítica e social importante para a formação do engenheiro.” Compõem também a equipe as alunas de graduação da Engenharia Ambiental Thalita Melo e Maria Chade e o aluno do curso de Engenharia Civil Gabriel Slan.
O principal produto esperado a partir desse trabalho é o diagnóstico participativo quanto ao planejamento, gestão, gerenciamento, sensibilização e capacitação dos atores-chave em relação ao tema de universalização dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário.
Assessoria de Comunicação da EESC

sábado, 17 de fevereiro de 2018

BBC BRASIL

Rondoniaovivo.com

Ministério da Justiça divulga arquivos confidenciais sobre Ovni's em RO Dizem as pessoas que acreditam em vida lá fora que não estamo...