Pvhcaos - AO VIVO

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Matador pergunta...


O sétimo entrevistado do programa MATADOR DE PASSARINHO foi Juca Chaves. Quem perdeu ou nao assina o Canal Brasil, vê por aqui:


http://vimeo.com/46268413

Espaço Avaaz


POR MAIL

































































pvh caos

Urgente: Quilombolas em risco!

Pedro Abramovay - Avaaz.org 26 de julho de 2012 16:56

Para: "pvhcaos@gmail.com"

Caros amigos do Brasil,




A comunidade quilombola do Rio dos Macacos está lutando contra o tempo. Em apenas algumas dias, uma ordem da justiça pode tirar a comunidade das terras em que vive há mais de 200 anos. Somente uma grande mobilização popular pode impedir que a pressão da Marinha prevaleça. Junte-se a essa luta agora, e a Avaaz e o defensor público que defende os quilombolas entregarão a petição diretamente para o juiz quando alcançarmos 50.000 assinaturas:

Em poucos dias, 200 anos de cultura tradicional podem ser extintos. A comunidade quilombola de Rio dos Macacos na Bahia pode ser expulsa de suas terras para a construção de uma base da Marinha. Mas a solução para o problema está a nosso alcance!


A Marinha do Brasil quer expandir a Base Naval de Aratu a todo custo, mesmo que tenha que devastar uma tradição centenária e expulsar os quilombolas da região. Os pareceres técnicos do governo já afirmaram que os quilombolas têm direito àquela terra, mas eles só têm validade se publicados -- e a lentidão da burocracia pode fazer com que o juiz do caso determine a remoção da comunidade antes que seu direito seja reconhecido. Eles estão com a faca no pescoço e nós podemos ajudar a vencer essa batalha se nos unirmos a essa causa!


Não temos tempo a perder! O juiz decidirá na segunda-feira se retira os quilombolas ou espera a publicação do parecer do governo. A defensoria pública nos disse que somente uma grande mobilização popular pode impedir que a pressão da Marinha prevaleça. Junte-se a essa luta agora, e a Avaaz e o defensor público que defende os quilombolas entregarão a petição diretamente para o juiz quando alcançarmos 50.000 assinaturas:


http://www.avaaz.org/po/urgente_quilombolas_em_risco_c/?bKivJcb&v=16624


De acordo com estudos, das três mil comunidades quilombolas que se estima haver no país, apenas 6% tiveram suas terras regularizadas. É um direito das comunidades remanescentes de escravos garantido pela Constituição, e responsabilidade do Poder Executivo emitir-lhes os títulos das terras. A cultura quilombola depende da terra para manter seu modo de vida tradicional e expulsar quilombolas dessas terras pode significar o fim de uma comunidade de 200 anos.


A comunidade do Rio dos Macacos tem até o dia 1º de agosto para sair do local e, após isso, sofrerá a remoção forçada. Entretanto, temos informações seguras que técnicos já elaboraram um parecer que reconhece o direito dos quilombolas, mas ele só tem validade quando for formalmente publicado e a comunidade corre o risco de ser expulsa nesse intervalo de tempo.


No caso do Rio dos Macacos, a pressão popular já funcionou uma vez, adiando a ação de despejo em 5 meses. Vamos nos juntar aos quilombolas e apelar para que o juiz da causa garanta a posse de terra dessa comunidade, e carimbe seu direito de viver em harmonia com suas terras. Assine a petição abaixo para impedir que a lentidão da burocracia acabe com uma comunidade tradicional:


http://www.avaaz.org/po/urgente_quilombolas_em_risco_c/?bKivJcb&v=16624


Cada vez mais temos visto que, quando nos unimos, movemos montanhas e derrotamos gigantes. Vamos nos unir mais uma vez para garantir o direito de terra da comunidade quilombola Rio dos Macacos e dar paz as famílias que moram no local. Juntos podemos alcançar justiça!


Com esperança e determinação,


Pedro, Luis, Diego, Carol, Alice, Ricken e toda a equipe da Avaaz




Mais informações:


Balanço 2011 das Terras Quilombolas da Comissão Pró-Índio de São Paulo
http://www.cpisp.org.br/email/balanco11/img/Balan%C3%A7oTerrasQuilombolas2011.pdf


'Os militares infernizam a nossa vida', diz quilombola sobre disputa por terra (Último Segundo)
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/ba/2012-07-22/os-militares-infernizam-a-nossa-vida-diz-quilombola-sobre-disputa-por-terra.html


Rio dos Macacos é quilombo, diz Incra (Tribuna da Bahia)
http://www.tribunadabahia.com.br/news.php?idAtual=122017


Rio dos Macacos: Defensoria pede suspensão da retirada de moradores (Correio)
http://www.correio24horas.com.br/noticias/detalhes/detalhes-1/artigo/rio-dos-macacos-defensoria-pede-suspensao-da-retirada-de-moradores/
pVHCAOS - -    ETNOCAOS


terça-feira, 17 de julho de 2012

Conexão Rondônia

MPs pedem que Ibama não libere licença de operação à Jirau, em RO

Usina Hidrelétrica de Jirau pode ser condenada por crime de desobediência.
Reforma de um trecho da Madeira-Mamoré está entre as condicionantes.

Do G1 RO
 
Uma ação civil pública, proposta pelo Ministério Publico Federal e Estadual de Rondônia, foi impetrada na Justiça Federal nesta segunda-feira (16), para que seja ordenado ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) a não emissão da Licença de Operação à Usina Hidrelétrica de Jirau. A ação foi ajuizada na 5ª Vara Federal de Rondônia e encaminhada ao juiz responsável Cláudio Henrique Fonseca de Pina.

De acordo com os MPs, o motivo da ação civil pública foi devido ao descumprimento das condicionantes impostas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no que tange à revitalização da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM). Segundo o texto da ação, já se passaram mais de dois anos desde a liberação da licença de instalação e a Usina Hidrelétrica de Jirau está se recusando cumprir as exigências.

Entre as 15 condicionantes do Iphan, estão a restauração e revitalização de um trecho da Madeira-Mamoré e da estação ferroviária de Guajará-Mirim. As imposições incluem também as construções e reformas que vão permitir a reativação de passeio turístico de uma locomotiva da EFMM.

No texto da ação, os MPs solicitam que seja exigido da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), responsável pela construção e geração da UHE Jirau, a apresentação junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) de um projeto de construção de um belvedere, ou mirante, na ponte de Mutum-Paraná, na rodovia BR-364.

Os MPs aguardam o posicionamento do juiz para o deferimento ou não da liminar proposta.
A ESBR informou ao G1 que ainda não recebeu o comunicado oficial de nenhum órgão e que só vai se manifestar após a notificação.

Direto da América

Homem com 'maior pênis' é barrado em aeroporto suspeito de levar arma

"Eu disse: 'É meu pênis'", afirma Jonah Falcon, barrado em San Francisco.
Ele contou ter sido apalpado e que agentes fizeram até teste para explosivo.

  G1, em SP
 
Um homem que é conhecido por ter o maior pênis do mundo foi parado por agentes da TSA (Administração da Segurança em Transportes dos EUA, na sigla em inglês) no Aeroporto Internacional de San Francisco sob suspeita de que estivesse escondendo uma arma.
“Eu disse: ‘É o meu pênis’”, contou ao "Huffington Post" Jonah Falcon, que diz deter o recorde do maior pênis do mundo.
Falcon, que diz deter o recorde de miaor pênis do mundo, em reportagem do Gawker (Foto: Reprodução)
Falcon, que diz deter o recorde de maior pênis do mundo, em reportagem do Gawker (Foto: Reprodução) 
“Ele me revistou por baixo, mas fez questão de apalpar [o pênis] com as mãos. Eles até colocaram um pó em minhas calças, provavelmente um teste para explosivos. Eu achei engraçado.”
Falcon, que já trabalhou como ator, disse que não estava com o pênis ereto no momento, mas seu pênis de quase 23 cm provocou suspeitas suficientes para uma alerta e uma revista completa.
“Só vou usar shorts para andar de bicicleta a partir de agora”, disse Falcon, que felizmente não perdeu o voo devido à “ameaça”. “Eu achava que os agentes de segurança de San Francisco já tinham experiência como essas, mas pelo jeito, não”, brincou o ex-ator.

domingo, 8 de julho de 2012

Importante: Segurança

Milhares de usuários podem ficar sem internet nesta segunda-feira

Endereços de servidores usados pelo vírus 'DNSChanger' serão desligados.
Segundo estatísticas, ainda há 300 mil computadores com praga no mundo.

Do G1, com France Press
 
Milhares de usuários de computadores ao redor do mundo, infectados com um vírus desde 2011, podem perder sua conexão à internet nesta segunda-feira (9), com a expiração de uma rede de segurança criada pelas autoridades norte-americanas, segundo especialistas.

O problema é produzido pelo vírus conhecido como DNSChanger, criado por hackers para redirecionar o tráfego da internet ao obter IPs pelo sistema de nomes de domínio de navegadores da web (DNS). Os endereços ficaram sob o controle do FBI depois que o órgão desarticulou a quadrilha, e desde então os endereços têm sido mantidos no ar para que as vítimas não perdessem parte da conexão à internet.
 
No entanto, essa ordem judicial obtida pelo FBI expira nesta segunda-feira (9), quando especialistas afirmam que os computadores infectados devem enfrentar um "dia do juízo final da internet". Os sites do FBI, Facebook, Google, provedores de internet e empresas de segurança estão alertando seus usuários sobre o problema, além de orientar sobre formas de corrigir a falha.

As estatísticas mais recentes apontam que ainda restam 300 mil computadores com o vírus no mundo. O Brasil é o 13° país mais infectado, com mais de 6 mil sistemas ainda utilizando os servidores que serão desligados, de acordo com estatísticas do “DNSChanger Working Group”. O maior número de computadores afetados está nos EUA (69 mil). Em novembro de 2011, ao menos 4 milhões de máquinas em mais de 100 países estavam contaminadas.

A empresa de segurança Internet Identity reportou que pelo menos 58 das 500 maiores companhias americanas e duas grandes instituições governamentais tinham máquinas corrompidas pelo DNSChanger. Um número pouco expressivo quando comparado ao do mês de janeiro, quando metade das empresas e agências estava infectada.

Como verificar
Usuários podem verificar se seus computadores estão corrompidos por meio de um teste na página do grupo que investiga o vírus (acesse aqui), ou de diversos outros operados por firmas de segurança. A página DNS-Changer.eu (acesse aqui) também realiza uma verificação rápida baseada no endereço IP do computador. Não acesse a página com tradutores web ou qualquer outra ferramenta. Apenas clique em "Start" e veja o resultado. A McAfee, que também desenvolveu uma ferramenta (acesse aqui), recomenda que os usuários limpem seus sistemas antes de segunda-feira.
Site mostra que sistema não está infectado pelo DNSChanger (Foto: Reprodução)Site mostra que sistema não está infectado pelo DNSChanger (Foto: Reprodução)
“Se os usuários de computadores tiverem configurações alteradas no DNS de seus servidores, não poderão acessar sites, enviar e-mails ou usar serviços on-line", informou a McAfee em comunicado divulgado na quinta-feira (5).

Seis estonianos e um russo foram acusados, em novembro de 2011, por transmitir o vírus para várias redes, incluindo da Nasa. O grupo teria faturado pelo menos US$ 14 milhões (cerca de R$ 28 milhões), de acordo com o FBI.

Em fevereiro, quando os servidores já seriam desligados, havia 3 milhões de PCs infectados e as autoridades pediram na Justiça que o desligamento fosse adiado. A fraude, realizada entre 2007 e outubro de 2011, redirecionava pessoas que faziam buscas para diversos sites, como o iTunes, Netflix e até mesmo o da Receita Federal norte-americana.

Como funciona
O Domain Name System (DNS) é o serviço de internet que permite a existência de endereços como "www.g1.com.br". O DNS serve como uma lista telefônica, transformando esses "nomes de internet" em números de endereço IP nos quais os computadores podem se conectar. Sem ele, o acesso à internet ainda está lá, não será possível abrir os sites sem conhecer previamente o endereço IP, da mesma forma que, sem uma lista telefônica, você é obrigado a saber o número para fazer uma ligação.

O vírus DNSChanger ("trocador de DNS", em inglês) modifica o serviço de DNS usado pela conexão do sistema infectado. Normalmente, o serviço de DNS usado é fornecido pelo próprio provedor de acesso. A diferença do DNS mantido pelo grupo do DNSChanger era a existência de redirecionamentos em sites de busca, para faturar com a venda de tráfego e anúncios: já que o DNS estava sob o controle do grupo, eles informavam números incorretos para interceptar os acessos a sites populares.

Segundo a IID, o vírus também pode comprometer atualizações do software dos antivírus. "Ele permite que os criminosos possam acessar qualquer informação, mensagem trocada, entre outros dados do computador da vítima", acrescentou.

Curso Instrutor de Skate